fbpx

Rota 7 - Rota de Santo Isidro - Percurso pedestre

Rota de Santo Isidro

Duração média: 3h30
Distância percorrida: 12 km
Tipo de Percurso: Circular, percurso sinalizado.

Valor aproximado por pessoa:  A partir de 10,00€, com visita guiada à adega.

Ver mapa

Pegões

Montijo

O percurso pretende dar a conhecer este território de caraterísticas rurais, cujo património natural e edificado confere identidade e singularidade à localidade de Santo Isidro de Pegões, situada numa das regiões mais vastas e belas da Estremadura. 

O Percurso

O percurso inicia no Largo Pereira Caldas, junto ao edifício da antiga Junta de Freguesia. A partir do painel de início de percurso e cruzando a EN4, segue uma distância de 100 metros até alcançar a Adega de Pegões. Esta antiga cooperativa, a maior do país, assume-se hoje uma adega moderna e competitiva reconhecida tanto a nível nacional e internacional, com inúmeras distinções em Portugal e no estrangeiro. É possível realizar uma visita guiada à adega com prova de vinhos, mediante reserva prévia.

Diante do edifício da Adega de Pegões segue pela direita para a Avenida 25 de Abril, passando ao longo de edifícios dos Casais de Santo Isidro, elementos identitários que recordam as memórias da colonização agrícola desta região.

No entroncamento seguinte, virando à esquerda, avista a escola primária, enquadrada no conjunto arquitetónico peculiar, que engloba a igreja, localizada uns metros adiante. Curioso, o ninho de cegonhas no cimo da torre sineira. Na proximidade existem dois edifícios, de arquitetura semelhante, que outrora serviam de residência ao pároco e às professoras. 

Possibilidade de realizar uma pequena pausa no parque de merendas, retomando o percurso pela direita da igreja para, depois infletir à esquerda. A partir deste ponto o percurso assume a sua vertente natural, embrenhando-se no campo numa estrada que conduz a um horizonte de eucaliptal entre vinha e campos de milharal. 

O percurso segue pela direita, depois de uma casota de rega de cor branca, seguindo-se cerca de 400 metros de estradão, com campos de regadio, para virar à esquerda entre duas casas de agricultura. 

Na passagem superior da A13, surge o belo e denso Pinhal das Sesmarias, seguindo pelo caminho da esquerda até chegar a uma propriedade vedada. Depois de percorrer o caminho junto à vedação, o percurso serpenteia pelo eucaliptal passando pelas Estufas dos ‘Holandeses’. Seguindo junto à vedação, no estradão principal em asfalto, volta à esquerda e depois à direita. A Barragem de Pegões surge-nos 1 Km depois deste ponto, um ótimo local para uma pausa e merenda. 

Retomar o caminho para o ponto de chegada, mas agora pela esquerda. Depois de percorrer aproximadamente 1 km chega a um extenso campo de cultivo e novamente a passagem superior da A13. Depois desta passagem, após 50 metros, destaque para o Pinheiro Centenário e a Fonte do Nico. Seguir o estradão principal de asfalto, tendo à direita os Casais do Vale da Vinha. Percorridos 800 metros, surge uma das mais antigas Mães d’Água, em processo de recuperação. Depois de alcançar o asfalto, uma visita para reabastecimento de água no épico Fontanário de Pegões para depois retomar o percurso pelo asfalto e alcançar de novo a Adega de Pegões. Passando a Igreja, surge novamente o edifício da antiga Junta de Freguesia, dando-se o percurso por terminado.

Curiosidades sobre os locais

Colonato de Santo Isidro de Pegões

Trata-se de uma obra empreendida pelo Estado Novo, pela extinta Junta de Colonização Interna, nos finais dos anos 40, do século XX. Com o objetivo de fomentar o povoamento em regiões mais inóspitas e agrestes do país, simultaneamente promovendo a reforma agrária, foram implementados em terrenos estatais, o projeto da Colónia de Santo Isidro de Pegões – o único realizado a sul do Tejo e um dos projetos do género melhor sucedidos. 

O extinto Colonato Agrícola de Santo Isidro de Pegões é composto por um conjunto arquitetónico, de relevância patrimonial e arquitetónica onde se destacam a Igreja de Santo Isidro, a Cooperativa Agrícola e os Casais. 

Num projeto elaborado pelos engenheiros agrónomos Mário Pereira e Henrique de Barros, o projeto incluía três núcleos habitacionais, os chamados Casais, nomeadamente Faias, Figueiras e Santo Isidro. Estes colonatos contextualizam-se numa época de ideologia fortemente conservadora, adotando um estilo arquitetónico oficial, inspirado em modelos do passado e numa ruralidade idealizada. Apesar da austeridade e simplicidade de linhas arquitetónicas, os 207 casais garantiam condições de habitabilidade, muito pouco frequentes à época. 

Fontanário de Pegões

Segundo documentos a antiga Estrada Real, que ligava Aldeia Galega do Ribatejo (atual Montijo) a Espanha, era muito utilizada pela nobreza e pela plebe. Por essa razão, em 1728, o rei D. João V escolheu esta via para a deslocação da comitiva real ao Caia, a acompanhar os príncipes, seus filhos, D. Mariana de Bragança e D. José cujos casamentos ajustara, respetivamente, com D. Fernando, príncipe das Astúrias e D. Mariana de Bourbon. Como a estrada se encontrava muito degradada, o rei mandou repavimentar a via, construir um palácio para albergar os régios visitantes e a sua comitiva. O Palácio das Passagens, em Vendas Novas, acolhe atualmente a Escola Prática de Artilharia. Para apoio à passagem real, o rei mandou edificar quatro fontanários, espaçados no percurso. Um deles foi o Fontanário de Pegões, situado junto ao marco que assinala a jornada, a cinco léguas da Aldeia Galega. De arquitetura setecentista e estilo barroco, o imóvel apresenta linhas singelas, com fachada simétrica, recortada em volutas de enrolamento, encimada por um acrotério, também coroado por volutas, sendo sobrepujado com uma cruz granítica de secção sextavada. O Fontanário de Pegões está classificado como imóvel de valor concelhio dando nome a um dos mais prestigiados vinhos produzidos pela Cooperativa de Pegões.

Cooperativa Agrícola de Santo Isidro de Pegões

A Cooperativa Agrícola de Santo Isidro de Pegões, cuja qualidade dos vinhos é reconhecida internacionalmente, foi constituída por alvará de 7 de março de 1958, como infraestrutura indispensável de apoio ao Plano de Fomento e Ordenamento Agrícola executado pela Junta de Colonização Interna. O projeto englobava uma área de cerca de 800 hectares de vinha, distribuída por casais agrícolas, nas herdades doadas aos hospitais civis de Lisboa, pelo grande benemérito Dr. Rovisco Pais. A Cooperativa de Pegões recebeu do sector estatal, forte apoio financeiro e em meios técnicos e humanos durante as primeiras décadas da sua existência. Posteriormente, durante o período revolucionário, sofreu uma fase da ocupação e de desequilíbrio, tendo gradualmente superado os seus efeitos, através de um trabalho sistemático de recuperação e de investimentos na modernização na área de produção, qualidade e distribuição, com o objetivo de valorizar os vinhos produzidos. Inserida na região vitivinícola da Península de Setúbal, está situada numa área geográfica privilegiada para a produção de vinhos de qualidade.

Rota de Santo Isidro

Ficha Técnica

Esta Pequena Rota (PR) deve ser iniciada no Largo Pereira Caldas, junto ao edifício da antiga Junta de Freguesia. Com sinalética informativa, permite um passeio em segurança pelos trilhos assinalados, associando a descoberta dos locais às notas vínicas que estimulam os sentidos, através da marcação de uma visita guiada à Adega de Pegões, identificada neste percurso.

Nome do Percurso: Percurso Pedestre “A Rota de Santo Isidro”
Localização e Região: Pegões, Montijo. Junta de Freguesia da União de Freguesias de Pegões
Tipo de Percurso: Pequena Rota (PR), Circular, Temática, Pedestre e Ciclável
Pontos de Partida e de Chegada: Largo Pereira Caldas 
Pontos de Interesse
Adegas: Adega de Pegões.
Natureza: Montado de Sobro, Vinhas, Pinhal das Sesmaria, Pinheiro Centenário.
Património Edificado: Colonato de Santo Isidro de Pegões, Fontanário de Pegões, Barragem de Pegões, Fonte do Nico

Distância: 12 km
Duração: 3h30
Desníveis Acumulados: 46 metros
Altitude Máxima: 59 metros
Altitude Mínima: 34 metros
Grau de Dificuldade: II (I -V)
Época Aconselhada: Primavera ou Outono.

Visitas guiadas nas adegas:
Reserva prévia obrigatória.

Adega de Pegões
T: 265 898 860
geral@cooppegoes.pt 
www.cooppegoes.pt

Informações úteis:
Casa Mãe da Rota de Vinhos:
+351 212 334 398
info@rotavinhospsetubal.com

Posto Municipal de Turismo de Montijo:
+351 212 327 78446 m59 metros

Alojamentos recomendados nas proximidades:
Delmira Vineyard House (Fernando Pó) – 917 500 198
Humus Farm (Fernando Pó) – 265 103 316

Outros alojamento recomendados:
A Serenada Enoturismo (Grândola) – 269 498 014
Amazónia (Palmela) – 210 878 520
Casa de Atalaia (vila de Palmela) – 212 350 072
Porta da Arrábida Hostel & Suites (vila de Palmela) – 212 337 090
Pousada do Castelo de Palmela – 212 351 226
Quinta do Piloto (Palmela)- 212 333 030

Rota de Vinhos da Península de Setúbal

Bem vindo à Rota dos Vinhos da Península de Setúbal.
Para navegar neste site, confirme que tem mais de 18 anos e aceite a política de privacidade.
Seja responsável e beba com moderação.

Welcome to the Rota dos Vinhos da Península de Setúbal.
To browse this site, confirm that you are over 18 and accept the privacy policy.
Be responsible and drink in moderation.